Infraestrutura: custos e cedências

O POSTER vai na sua terceira edição. Neste número pareceu-nos importante, quiçá conveniente, balizar a discussão no tema da INFRAESTRUTURA. A escolha parece natural quando o município que nos ajuda a criar o ponto de entendimento é Barcelos, o concelho português com o maior número de freguesias (89), num total de 120 mil habitantes, numa área de 380 Km2.

Com este enquadramento, a pergunta que lançávamos parecia simples: quais os custos e cedências – genericamente digo de urbanidade – na irrigação e composição de um território desta natureza, naturalmente extensivo. De facto, esta é uma questão corrente que temos em mãos: o entendimento difícil da diversidade do que é hoje a condição urbana e a ineficácia da estabilização da transformação do “real”.

Abrimos o problema a dois convidados: os arquitectos Nuno Grande e Sara Sucena. A base de discussão que lhes lançávamos insidia em duas abordagem: 1-Dispersora, usando do “eixo” viário como elemento de (des)articulação do território;2- Agregadora, usando o “ponto” (equipamento) como olhar especifico da evolução e transformação da morfologia urbana da cidade.

As respostas são as que se seguem, e a nós, NARB, resta agradecer a superdisponibilidade em aceitarem as nossas inquietações e quererem pensa-las e discuti-las.

José Martins, arquitecto

 

download do poster #3
Ficha técnica:

Textos de:
Arquitecto Nuno Grande, Onde a infraestrutura se fez cidade;
Arquitecta Sara Sucena, A rede viária e a dispersão da urbanização: “estrada” e “caminho” na construção da “cidade entre cidades”.

Editor:
José Martins

Fotografia:
João Abreu

Revisão de textos:
Sílvia Fernandes

Design:
Nuno Bastos; Raquel Peão

Impressão e acabamento:
Norprint

Tiragem:
100 exemplares

Setembro 2012