Requalificar: identidades urbanas e vínculos de paisagem

O projecto Poster chega ao seu quinto e último número. Perspectivando todos os números editados, entendemos o conjunto dos temas como necessidades prementes de serem pensadas e discutidas. Mais do que o zoom in temático que nos serviu de pré-critério para lapidarmos cada número, fomos chegando às cinco cidades do distrito – Braga, V. N. de Famalicão, Barcelos, Guimarães e Esposende – com olhares (auto) críticos nessa missão hérculeana de estabelecer um ponto de partida que explorasse a condição do distrito.

Os temas estabeleciam-se das necessidades mais evidentes a serem discutidas, por exemplo Território na cidade de Braga, ou num entendimento espontâneo que alguma cidade nos sugerisse, por exemplo Transformação na cidade de Guimarães no pós G2012:Capital Europeia da Cultura.

Nesta (con)sequência nasceu o Poster 5 que intitulamos de Requalificar: identidades urbanas e vínculos de paisagem. Chegámos até Esposende com esta vontade de apresentarmos um tema inusitado que disparasse para o sítio certo. Um gozo, pois! Interessou-nos num primeiro momento a ideia de requalificação muito vincada na frente de água ou na vontade expressa dos Planos apresentados no Programa de Acção URBI Esposende sob os comandos do poder local e financiada pelos Quadros Comunitários. Na mesa discutia-se a etimologia da palavra – Requalificação - e as ilustrações que ela sugere dentro da nossa disciplina de Arquitectura. Acabámos por entendê-la, redutoramente, como uma denominação, como um acto/momento de acção claramente definido no tempo e no espaço. Refugiamo-nos então, no verbo requalificar. Aparentemente tínhamos outras garantias que queríamos explorar, uma certa ideia de acção que se prolonga no tempo. Nesta crescente discussão recuperámos a ideia de palimpsesto, porque nos interessava de facto as sobreposições, as intertextualidades, a descrição do grego antigo “riscar de novo” para entender os diferentes layers a que Esposende foi sendo sujeita, quer na forma urbana, como na relação com a paisagem.

Estava lançado o mote.

Foi com grande amabilidade que os convidados aceitaram o desafio para nos ajudarem nesta descodificação num tempo recorde. O convite endereçado à arquitecta Cidália Ferreira Silva procurava entender o grau, da memória, do tempo, da experiência sensorial, do valor adquirido, que a relação do corpo com o construído nos quer fazer compreender e que vínculos de paisagem é que esta relação nos sugere. Procurámos o arquitecto João Bermudes, pois sabíamos que era conhecedor das questões urbanas de Esposende. Provocámos-lhe uma leitura das dinâmicas e formas urbanas daquele território, que trouxesse até nós os inputs da evolução urbana a que Esposende esteve sujeita e as consequências das que se projectam para o futuro.

Requalificar é disto que se trata.

José Martins, arquitecto

 

download do poster #5
Ficha técnica:

Textos de:
Arquitecta Cidália Ferreira SilvaDevir-paisagem: vincul-ação;
Arquitecto João BermudesEsposende: A [re]qualificação do rio como gerador de identidade.

Editor:
José Martins

Coordenador:
Ivo Vaz Barbosa

Fotografia de capa:
João Bermudes

Design:
Nuno Bastos; Raquel Peão

Impressão e acabamento:
Norprint

Tiragem:
100 exemplares

Maio 2014